Dia desses alguém me contou que, dialogando com a mãe de um dos colegas de seu filho, perguntou-lhe: “Por que seu filho não está estudando? É um menino inteligente, deveria estar fazendo uso de seu potencial!” A reposta daquela mãe foi: “Bem, já conversei sobre isso com ele, mas respondeu-me dizendo “de que adianta tanto esforço e trabalho para estudar se vou morrer mesmo a qualquer hora, ou, um dia desses!?”.

Esse adolescente estava refletindo sobre a possibilidade da morte vir a qualquer momento e acabar, eliminar com todos os seus projetos, então dizia ele, justificando-se: “De que adianta? Nem vou começar, pois não vejo qualquer propósito em começar algo, ou mesmo continuar vivendo. Vou me mantendo por aqui até que venha o fim”.

O tipo de pensamento que está trabalhando dentro da mente desse menino é o produto de uma ideologia do “aqui e agora”; aqui estou não sei por que, portanto, agora é o momento de fazer não sei o quê. Tal direcionamento distorcido comanda todas as suas ações, pois se vive para aquilo que acredita. Dizendo de outra forma: Eu estou acreditando nas coisas que me chegam à mente, portanto, vivo pelo que acredito.

Qual a mensagem que você está recebendo e acreditando? Será isso verdade ou mentira, realidade ou ilusão, veracidade ou lenda? Aí está um problema que tem de ser resolvido urgentemente antes que, realmente, o fim venha acontecer. Começar a pensar corretamente sobre assuntos que determinam situações cruciais.

Em se tratando de morte, assunto que muitos evitam comentar, e, em alguns círculos é contornado em rápidas pinceladas para que não se sinta seu verdadeiro impacto e transtorno que a acompanha, uma coisa dever ser dita: Ela é uma realidade, mas nunca pode ser um instrumento para justificar a fuga da existência, para desistir de projetos de vida ou ser usada como argumento visando encobrir nossa falta de interesse pelas coisas que realmente afetam nosso dia-a-dia.

Se você não encontra justificativa adequada ou significado exato para levantar todas as manhãs, sair para o trabalho, freqüentar os estudos, manter relacionamentos, amar as pessoas, viver realmente, você não está recebendo as informações corretas. E, se as informações não forem corretas, seu viver será confuso. O que você precisa saber é a verdade sobre a significação de tudo isso para que isso tudo tenha significado para você.

Jesus Cristo disse: “... E conhecereis a verdade e a verdade vós libertará...”. Pilatos perguntou para Jesus: “O que é a verdade?” A pergunta “ficou no ar”. Este mesmo Pilatos não teve a paciência, ou não fez questão de ouvir a resposta. Por que será, hein!? Ele não estava disposto a ser confrontado pela verdade que iria desconstruir tudo o que ele, com muito cuidado, jogo político e trâmites de influências, tinha estruturado, ou seja: “Vivo assim, está bom e funcionando, não desmorone meu mundo, mesmo que esteja fundamentado em ilusões e inverdades e seja efêmero”. Na oração última, antes de ser preso e sofrer a crucificação, Jesus já dera a resposta, dizendo: “Pai, santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade...” João 08.32; 18.38 e 17.17.

Se muitas coisas não fazem sentido para você, então chegou o momento de conhecer a verdade sobre essas tais coisas. Não viva ao acaso, sem rumo, à toa e superficialmente. Levante-se, descubra o significado disso tudo e viva celebrando a liberdade.

Amauri Galvão www.palavraquefunciona.com

 

Amauri Galvão

Procurar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons enki22, broo_am, broo_am  © 2009 Amauri Galvão - Todos os direitos reservados.